sábado, 4 de setembro de 2021

ALVORADA



        O amor renasce a cada dia

        No eflúvio encantador

        do risonho amanhecer.

 

        A fragrância de cada flor

        Acaricia a terra, turbas e falésias

        Em fulgurante esplendor.

 

        Meu coração radiante,

        Rejuvenesce o pulsar

        Em uníssona sincronia

        Com os pássaros a enevoar.

 

        Fitando estrelas matutinas

        Vejo a vida se espelhar

        Em cada pétala em flor,

        No fascínio de cada olhar!

 

        A última estrela se esconde

        Por trás dos raios de sol,

        E nova magia acontece

        Quando pousam sobre o mar.

 

 

                  Antenor Rosalino

 

sábado, 21 de agosto de 2021

O ARCO-IRIS

 

                                            

          

                       

                           Descortina-se o arco-íris!

                           Dissipam-se as ágmas.

                           No esplendor dos matizes,

                           Murcham-se as lágrimas.

 

                           Arco celeste, arco da aliança!

                           É também arco da chuva...

                           Reluzente esperança

                           Das alcovas da turba.

 

                           Emanando suas cores

                           Em cenários diversivos,

                           Reacendem-se os fulgores

                           Há tanto, empedernidos.

 

                            Abrem-se os sorrisos!

                            Esvoaça-se a passarada...

                            Aguçando-se os viços

                            Da cidade engalanada.

 

                            A paz assim tão presente

                            Na calmaria do dia,

                            Devolve a lira plangente

                            À inflexão que enuncia.

 

                            Quando nesses momentos

                            O mundo sorri feliz,

                            Unem-se os pensamentos

                            Do modo que eu sempre quis.

 

                            Nesse dia ganho um sonho...

                            Esqueço a sorte perdida.

                            Não há suspiro enfadonho.

                            Respiro a paz mais querida.

 

                            As borboletas ao vento

                            Ganham cores de opalas,

                            Enquanto nesse acalento

                            Nas gólgotas a dor se cala.


 

                                                   Antenor Rosalino

quarta-feira, 4 de agosto de 2021

PRISMA POÉTICO


                   

   


                Decidi fazer um poema. Sim, um poema diferente,

                inesquecível, que trouxesse nas entrelinhas, inefável

                alegria para as multidões esquecidas!

 

                Busquei em terras distantes a inspiração almejada

                para o meu versejar desejado e formatado

                livremente com um quê tão emotivo que pudesse

                transmitir encanto a todo sentir lancinante.

 

                De repente... pressenti, no crepúsculo do entardecer,

                que a poesia se espreita não tão longe, mas bem

                perto. Não se oculta em riquezas transitórias, mas

                sim, nas pequenas coisas, na ternura de um sorriso, no

                cantar cantar de rouxinóis...

 

                Minha pretensão momentânea de ser um poeta maior,

                buscando em distantes plagas o mais etéreo versar,

                foi apenas ledo engano..., pois nesta vida não há, um

                poema  mais perfeito que o próprio sol a brilhar,  na

                terra, no mar, nas fontes a cantar... e a brisa mansa

                afagar belas noites de luar!

 

                Mesmo as palavras mais lindas de enamorados

                eternos, não são ditas pelos lábios, as quais, voam

                como as falenas, mas sim, pelo doce encanto

                de olhares meigos, serenos...

 

                Agora no silêncio do meu pequeno quintal em festa, os

                poemas fazem ninho no meu coração liberto!

 

 

                                           Antenor Rosalino

sábado, 17 de julho de 2021

FASCÍNIO

 

                

                    Na quietude da casa, além das cortinas inquietas,

                     o pequeno quintal liberto acolhe o meu coração,

                     enquanto a mente divaga formatando poesia

                                   com pedaços de verdade!

 

               O vento guia os meus sonhos e como é doce sonhar

                     quando a pura poesia suaviza as breves horas

                                      no fluir de belos dias!

 

                      Vejo agora ao meu redor o meu sonho colorir

                          com a chegada festiva de um gentil colibri,

                     em silenciosa acrobacia junto às suspensas flores

                                       do alpendre de balizas.

 

                         De repente o colibri, num momento de magia,

                        paira no ar junto à flor, beijando-a ternamente!

                        Sem recusar as carícias retribui-lhe a flor bela,

                       desfrutando o colibri do seu beijo e do seu néctar.

 

                    Um vento frio, no entanto, vagamente rouba o encanto

                             levando o pequeno pássaro a outros céus,

                          deixando a florzinha triste, timidamente ao léu.

 

                       Deixo também o acalanto da varanda entre matizes,

                          e meu pensamento devolve a realidade esquecida.

                             

                                                        Antenor Rosalino

sábado, 3 de julho de 2021

ORÁCULO

                    

                                                                            

             


                        Sinto a proximidade de Deus
                        Quando em momentos de paz,
                        Ou de profunda aflição,
                        Busco consolo e guarida
                        Nas verves asas da oração.
 
                        No imo, bem no meu íntimo,
                        Em meu refúgio perfeito,
                        Sinto a vida e me deleito
                        Nessa elação de ternura
                        Dentro do meu coração.
 
                        Minha prece encontra eco
                        Nessa morada de luz
                        Onde não vejo Deus eu O sinto
                        Na inocência de um sorriso...
                        No fluir dos dias meus!
 
                        Na fragrância crepuscular
                        Desse enlevo enternecedor:
                        Habitat do secreto e da verdade,
                        Vejo o rito da natureza muda
                        Trazendo perfiz de saudade!
 
                        Recebo sementes divinas
                        Desse oráculo, no meu imo,
                        E planto a esperança de um dia
                        Ver o amor fazer ninho
                        No brilho de cada olhar!
 
                        Reverenciando o Pai Eterno,
                        Na mais plena gratidão,
                        Morro pouco a pouco a cada dia,
                        Deixando os erros em abissais
                        Para encontrá-lo em oração.
 
 

                                           Antenor Rosalino

 

segunda-feira, 14 de junho de 2021

VAZIO

 

                           

     

                       

                            Palavras ao vento.

                            Murmúrios sentidos...

                            Sonhos desfeitos.

 

                            Vagos sorrisos!

                            Esboços tristonhos

                            Na face sem brilho.

 

                            Feridas abertas

                            Saltando aos olhos

                            Nos passos incertos!

 

                            Voz embargada...

                            Monossílabas lentas...

                            Esperança ultrajada!

 

                            Inocência perdida

                            Por ações combalidas

                            Nas esquinas da vida!

 

                            Perdidos amores...

                            Afetos ausentes

                            Num mundo sem flores!

 

                            Natureza sem graça...

                            Ostracismo latente...

                            Ninho de lágrimas!

 

                            Consumada essa lida,

                            A solidão entra em cena

                            No crepúsculo da vida!

 

                            Reverta então o destino:

                            Sacuda a neve do pólo...

                            Esqueça sonhos perdidos!

 

                            Veja o exemplo que ecoa:

                            Ressurgindo ilesa das cinzas   

                            A fênix liberta voa...

 

                                           Antenor Rosalino

segunda-feira, 31 de maio de 2021

MIRAGEM

 

                               

         

 

                    Pensando em ti enterneço-me,

                    E as minhas células líricas

                    Feitas de amor e poesia,

                    Imergem-se nas ondas vívidas

                    Do mar das saudades minhas!

 

                    Vislumbro momentos felizes

                    De um horizonte longínquo...

                    Enquanto o vento permeia

                    Na imensidão dos meus sonhos,

                    Trazendo miragens suas!

 

                    As estrelas rutilantes

                    Em madrugadas tão frias,

                    Deixam minha alma saudosa:

                    Despedaçada, tal como as pétalas

                    No manto das ventanias!

 

                    Porém, quando dançam as ramagens

                    Sob os uivos mansos da brisa:

                    Sinto no ar seu perfume

                    - como uma bruma invisível -,

                    Na orla distante de um cais!

 

                    E no alvor do amanhecer risonho,

                    Os meus olhos sempre em trevas,

                    De repente..., vêem luz!

                    São seus olhos colorindo

                    A fonte oculta do amor!

 

 

                                           Antenor Rosalino