quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

SONS DE VIOLINO

             
                    

                                   No condão dos timbres sonoros,
Mãos abençoadas
Movimentam as cordas
Em deflexões continuadas,
Num eflúvio de ternura
Ecoando sonoridade
De indescritível paz!

                            Os sons de violino                            
                            Em compassos simétricos                  
Dão ares de raro esplendor:
Fênix renascem!
Estesias acontecem...

Numa alquimia nostálgica,
Os acordes maviosos
Do arco que flutua,
Falam aos corações
E chegam a Deus num encanto,
Com forma pura e etérea
De transcendente oração!


Autoria: Antenor Rosalino



2 comentários:

  1. Amado Antenor Rosalino: Um Poema é como um arco de violino, a caixa que produz os sons é a alma do leitor.Te Esperarei Apenas Hoje, Nos Acordes De Tão Doce Violino! O som da Tua Voz É Música Para Meus Ouvidos, Dança Para Meu Corpo...Tua Voz É Som De Violino Aos Olhos Meus! Tudo atrás então ficou
    E As Lágrimas Assim Secaram Ao Som do violino Pude então Enfim Te Amar E A Vida Rodeadas De Flores Está! Poema Com Timbre Extremamente Maravilhoso. E, literariamente Falando, exímios versos Sob Imenso Lirismo Do Amado Poeta, que Transita Pelas Mais Diversas Cordas Do Violino da Literatura! Meus parabéns. Levanto-me para Aplaudir, Humildemente! Um grande beijo de Admiração e de Amor. Da Sua eterna Diva Lu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorável Lu, o teu comentário é tão incentivador e belo que me faz sentir extremamente honrado, levando-me a acreditar na possibilidade do meu labor poético ecoar como lenitivo na alma de alguém, especialmente na tua alma. E esta é a minha ousadia maior no campo da poesia. No divinal acorde do elo amorável que nos une, receba um faustoso beijo do teu eterno Antenor.

      Excluir