domingo, 24 de fevereiro de 2013

CREPÚSCULO VESPERTINO





Na ternura do entardecer,
Alvas nuvens bailam lúdicas.
Circundando o arco-íris
Que se abre em hastes rútilas!

Em acrobáticas magias,
Os passarinhos em bandos
Principiam os seus cantos
Permeando ventanias!

 As lamúrias são varridas
Para o nada – a não existência,
E redivivos sentimentos
Dão adeus aos lamentos.

Os uivos brandos dos ventos,
Transpassam jardins e cântaros,
Trazendo o perfume das flores
Na hora sacra do Ângelus!

Num aceno derradeiro,
Entre nuvens boreais,
Taciturno o sol se esvai
Nas veredas siderais!


Autoria:  Antenor Rosalino


2 comentários:

  1. Adorável Antenor:Em cada crepúsculo vejo a renovação em mim... A esperança da vinda do crepúsculo que anuncia a morte do dia,e a noite que sorri com o brilho da lua sem saber que a alvorada vai anunciar a ressurreição do dia com o brilho da luz divina.Em cada crepúsculo vejo a renovação em mim...A esperança de um dia estarmos juntos se renova!
    Sorvo comigo a dor da saudade . Mas me sinto imortal diante da vida... ! No derradeiro vento, sentimentos viram mágicos Sonhos, Que Em Bando Cantam os Pássaros de cima das "alvas nuvens lúdicas". Esplêndido Poetar Adorado Antenor. Meus sinceros parabéns. Meu beijo de amor, da tua eterna Lu!

    ResponderExcluir
  2. Em cada renovação em ti um clarão de prazer em mim, caríssima Lu. A dor nostálgica dá lugar à esperança incontida no teu coração criança e a imortalidade transparece no teu olhar esmeraldino que reluz aos olhos meus. Com profunda gratidão pela sempre amável presença retribuo a amabilidade, diva da poesia. Beijo do teu eterno Antenor.

    ResponderExcluir