sábado, 15 de setembro de 2018

FINITUDE



                                     
                                      

                              
                    Quando eu partir para a incógnita do eterno
                    quero sentir pela última vez, liberto de ansiedade,
                    a maciez e o lírio de tuas brancas mãos
                    deixando em meu corpo inerte o teu encanto.

                    Num gesto de desilusão, antes do adeus final,
                    lembrarei dos teus hábitos, deslizes e segredos,
                    que não consegui deter com meu jeito ingênuo de ser,
                    mas  levarei comigo apenas a ternura que nos uniu.

                    A noite tão faceira despontará, sem rodeios.
                    O sol em fim de jornada parecerá perdido
                    no horizonte infindo do arrebol carmesim
                    permitindo, complacente, o meu anunciado fim.

                   Meus olhos vaguearão no vazio na busca dos olhos teus,
                   e os olhares perscrutadores das pessoas que me amam
                   derramarão lágrimas como gotas de chuva sob o céu cinza
                   numa tela nívea como estátuas de marfim.

                   O vulto do silêncio lembrará abraços,
                   O frescor das manhãs e meus versos deitados,
                   Mas no holocausto só me restará cansaço
                   Em nostálgico pensar num escuro pálido.


                                                    Antenor Rosalino

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

MEU RECATO


                                
Retribuição à querida e exímia

poeta Luiza De Marillac Michel



                   



                           No meu recato em devaneios épicos
                           Percorro livre a natureza
                           E vejo auréolas brilharem
                           No manto crepuscular.

                           Quanta luz mediterrânea
                           No orvalhar das madrugadas,
                           Nas pétalas das belas artes
                           E na pureza das manhãs!

                           O meu canto é como a vida que é santa,
                           Por isso escrevo e canto
                           Líricas dialéticas e proclamo
                           O amor mais puro e constante.

                           Vejo os astros em tons poéticos,
                           Sob altas magnitudes,
                           Aderindo o meu silêncio
                           Transmutado em solidão.

                            Busco então discorrer, em livre imaginação,
                            O verso mais pitoresco e bonito
                            Em tentáculos que falam
                            De saudades incrustadas e amor ao coração.



                                                 Antenor Rosalino



MINHA MORADIA


Com muita honra e gratidão, transcrevo, abaixo,
o poema que me foi dedicado por minha parceira
das letras e exímia poeta Luiza De Marillac Michel


                                                 
                            


                         MINHA MORADIA ...


                     Meu anoitecer será de quase nada
                     Me falta uma presença tão noturna
                     Vindo me pescar à dádiva escrita
                     Do pensamento à tal sensibilidade

                     Precioso estar em variada sensação
                     Pousada em farta reunião de sóis
                     Sou tão pura, por pudor que resta
                     Acostumada à palavra bem deitada

                     Teu silêncio; me atina versos brancos
                     Da abundância apaixonada me trazes
                     Abastada beleza que esvazia traços
                     De índole vivida e despida de riqueza

                     Fazedor de meu verso sempre inspirado
                     Tutela dum coração quase aprisionado
                     Tragas cerejas e uvas e todas nozes
                     Que em vozes eu estarei a me deleitar...

                         Ofereço Esse Poema Ao Querido
                        E Exímio Poeta Antenor Rosalino


                                 Luiza De Marillac Michel

                                                  *****

terça-feira, 11 de setembro de 2018

REFLEXÃO



                                   


           Eu preciso refletir
                                Sobre o que os lábios não dizem
                                Navegar além do mundo
                                Esquecer fados que não condizem.

                                Ultrapassar reticências,
                                Pontos nulos e ultrajes da visão,
                                Descobrir as reais intenções
                                Que orientam meu coração.

                                Quero linear a idéia
                                Em vocábulos livres e soltos,
                                Desfazer as ilusões dúbias
                                E retirar negras nuvens envoltas.

                                Ouvir as vozes da alma
                                Para definir distâncias opacas.
                                Perseguir o pó das estrelas
                                No sopro da alvorada.


                                             Antenor Rosalino





segunda-feira, 10 de setembro de 2018

HÁBITO DE AMAR


Inspirado no poema "Realidade e Sonhos
da exímia poetisa Luiza De Marillc Michel               
                

                                      



Na vastidão do eterno,
Mesmo em noite de pranto,
Mesclam alvissareiros
O sol com a lua cheia.

Num viajar evasivo
Sob a luz do plenilúnio
Despreza-se a realeza
De imagens da natureza.

Minha alma se alimenta
Do meu hábito de amar.
Perder essa regalia é vagar insano
Em abissos enfadonhos.

Sem olvidar o porvir
Sigo este beneplácito,
Mesmo se for corroído
Em jardins de holocaustos




      Antenor Rosalino


  

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

NUANCES DA FLOR




                      
                                 


Brotam sorrisos felizes
O motivo vem da flor
Que aflorando seus matizes
Brinca num céu de esplendor.

A natureza desperta
Em cantigas de ninar
Quando o sol feliz alerta
Que deseja a flor beijar.

A beleza é púrpura,
Quase única, da flor rara...
Efêmera, lúdica,
Instigante e desejada.

Folhas verdes, encantadas
Consagram as alforrias
Insinuantes, desejadas
Enlevando alegorias

Perpetua-se o encanto
No homem e na mulher
Na essência de amor tão brando
Do sândalo que se quer.

O sossego carmesim
Do sol morrendo nos montes
Traz perfume de carmim
No jorrar de belas fontes.

Aspecto estelar supremo,
Da flor em célebre glória
Bênção amorável que temos
No correr breve das horas.


                     Antenor Rosalino


quinta-feira, 30 de agosto de 2018

ARTE DO AMAR...


Dueto com a querida e exímia
poeta Luiza De Marillac Michel


                   

Se dos mais singulares e precisos
Infinitos fragmentos sem os abrigos
Sigilo insolúvel envolve os amantes

Poente todo belo vejo pelos mares
Brisa do acaso que toda contemplada
Que há de brotar perene sempre novo


Fora o pensamento nada nos pertence

Suspenso salto do amor frondoso outeiro...


                                   Luiza De Marillac Michel


 Na singularidade que reveste
 O infinito azul do céu estrelado
 Suspiros volatizam o elo fecundado

 A renovação do horizonte belo
 Brilha como a grama orvalhada
 E medra incólume na mente suavizada

 Sem o reto pensar nada sobrará
 Erupção do amor na arte eterna do amar


                  
                                       Antenor Rosalino