domingo, 17 de fevereiro de 2013

INVERNO



                                                 

                          No prelúdio inexorável do inverno,
A luz do entardecer é calma e tristonha!
O enlevo enternecedor
Dos brandos raios de sol,
Aquece com a magia singela
Do seu manto crepuscular,
Os santuários da natureza incólume!

Os passarinhos velozes
- como navios singrando mares -,
Buscam em revoadas
O refúgio dos seus ninhos!

Contrapondo-se à matéria gélida,
Reascendem-se as ternuras
- sob o brilho dos vitrais -,
E o calor volátil enleia,
Envolvendo dóceis almas
Nas alcovas das lareiras!


Autoria:  Antenor Rosalino


                                                                  

4 comentários:

  1. Adorável Antenor: Inverso é Algo Assim Meio Que Sucinto!No inverno, o vento dança com as folhas, a Seu Contento!
    Chuva amedrontada, Mar Majestoso e Sombrio Inverno no Ar. Nossas almas reservam-se ao Intrínseco e Felizes Buscam O Amado para Se Aquecer. Te Convido Às Lareiras Amado Antenor! Para aquecermos as Nossas Almas e Para Festejarmos A Longa Paixão Pele Tuas Escrita, Absolutamente LINDA! Beijo amoroso da tua eterna, Lu.
    "A gargalhada é o sol que varre o inverno do rosto humano."
    Victor Hugo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Lu, o teu comentário traduz com clareza a brevidade do inverno e suas nuanças que provocam maior entrelaçamento de almas e calor humano. Fico sempre muito comovido com os teus maravilhosos comentários pertinentes e amorosos. Muito lhe agradeço, inclusive, pelo incentivo sempre presente e pelo convite irrecusável. Um faustoso beijo do teu eterno Antenor.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Não precisa se desculpar, querida Lu. É compreensível.

      Excluir