quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

É NATAL!


                                                     
                               



                                       Um meteoro cadente
                                       Enfeita o clarão da noite
                                       As flores noturnas balançam
                                       Afugentando os açoites.

                                      Os corações palpitam em alegria
                                      Vislumbrando o esplendor
                                      Da lua afagando a noite
                                      No Natal do puro amor!

                                      As luzes insurgem matizes
                                      Enquanto as almas uníssonas
                                      Recebem bênçãos divinas
                                      Pela leda madrugada.

                                      O sol se faz eclipse
                                      Vagante pelo espaço
                                      Postergando o apocalipse
                                      Na sublime íris do prado.
                                           
              * * * *

        Merry Christmas to all!
                                       
        Buon Natale a tutti!

        Feliz Natal a todos!...





  Autoria:  Antenor Rosalino

  Imagem da internet

domingo, 29 de novembro de 2015

AMIZADE TRANSCENDENTAL

                                    

 Hoje venho discorrer um pouco sobre a amizade, quando verdadeira, e sua significância em nossas vidas. Sobre a amizade que vai acontecendo e transcende...
 Reporto-me aqui, como ilustração, a um fato curioso ocorrido na minha própria casa há algumas décadas. Meus dois filhos estavam brincando, mas, de repente, se desentenderam de tal forma que tive de agir de modo enérgico.  Pedi a ambos, então, que ficassem de joelhos num determinado lugar da casa, obviamente, por apenas alguns minutos. Acontece, porém, que, um coleguinha deles que veio também brincar em casa e presenciou a cena, imediatamente, após a minha ordem, dirigiu-se a mim de forma resoluta e foi logo dizendo: “Se eles ficarem de castigo me deixa ficar também”. Ora, imaginem a imagem que os pais daquela criança teriam de mim, ao ver o filho sendo castigado na minha própria casa. Não consegui suportar o desejo de dar uma boa gargalhada... Assim o fiz, e todo aquele clima indesejável acabou se tornando motivo de sobejante alegria.
  Com base nesse exemplo, dentro da minha humilde compreensão, fico a imaginar o quanto significa a felicidade de podermos contar com alguém que se preocupa conosco, que se posiciona sempre a nosso favor na alegria e na tristeza, que anda, corre e acompanha nossa jornada.
  Muitos são aqueles que se dizem amigos, mas, na verdade, poucos são aqueles que podemos considerar na concepção da palavra.
  O que é notório nos dias atuais é o incrível aumento dos relacionamentos virtuais. Evidentemente, todo e qualquer relacionamento, quando salutar, é bem–vindo, mas este não substitui a proximidade física. Soma-se a isso, o fato de que, apesar de podermos também estar presentes à distância, metafisicamente, trazendo a pessoa querida dentro do coração, o distanciamento faz com que fiquemos bem mais sujeitos a sermos enganados. Definir uma boa amizade, com quem vamos caminhar junto, rir e chorar, suportar adversidades e continuar com amizade inquebrantável sugere presença física.
  Não estou dizendo, com isso, ser esta a única forma de pensar a amizade, nem tampouco insinuando que possa existir uma receita para que tudo dê certo. Apenas aponto um pensamento, por ter me lembrando do caso do garotinho que, em sua atitude pueril, naquela ocasião me fez rir e hoje faz com que brotem lágrimas dos meus olhos por saber que, na hora da angústia, o amigo de verdade se torna um irmão.



Aiutoria:  Antenor Rosalino

Imagem da internet


sexta-feira, 13 de novembro de 2015

SUPERAÇÃO




                                         


Nos dias calmos e breves,
Não busco respostas para as emoções aflitivas
Comumente causadas pelas dores
Que se afiguram infindáveis
Quando das perdas de entes queridos.

Com o coração inerme
E despojado de angústias,
Busco lenitivo na certeza
De que o amor que dediquei
Foi mais profundo do que a dor da perda.

Assim, no meu caminhar, por vezes, soturno,
Concluo que o amor dedicado
Não pode ser superado por sentimentos tristes.
O pranto dos meus olhos nunca foi o desejo
Das pessoas queridas que me esperam,
Em regozijo, do outro lado da vida!

Rompendo o silêncio das amarguras,
Convenço-me, a cada instante,
De que minhas atitudes não foram indignas,
E absorvo as perdas com naturalidade,
Anàlogamente às flores que denotam nostalgia
No dia que se esvai, mas reflorescem veludíneas
E perfumadas no amanhecer que se enuncia.



Autoria:  Antenor Rosalino

Imgem da internet








terça-feira, 10 de novembro de 2015

ESTRELA-GUIA

                   

                                   


                                         Uma estrela me ilumina  
                                         No fulgor azul do céu.      
                                         Junto a ela vou seguindo
                                         Minhas venturas ao léu,
                                         Sempre buscando as centelhas
                                         Dessa luz em carrossel!

                                         Girândolas fulgurantes,
                                         Multicores a bailar
                                         Na amplidão dos meus amores
                                         Numa rota a se avultar.
                                         Torno-me então arremedo
                                         De poeta sublimar.

                                         Majestosa e suntuosa
                                         Pérola do meu deserto!
                                         Feiticeira das alturas
                                         Que em meu peito sempre aberto
                                         Impulsiona os passos meus
                                         E meu olhar entreaberto.

                                         Unidos em paz eterna
                                         Sejamos sempre os arautos
                                         Das preces humanitárias
                                         Que se elevam sem incautos
                                         Ao curso estelar supremo
                                         Onde o amor viceja em lautos.

                                         Irei subindo os degraus
                                         Desta envolvente escultura
                                         Miragem que faz de mim
                                         Um aventureiro de alturas
                                         Poetizando o lirismo
                                         De diferentes culturas.

                                         Bela estrela que me guia
                                         Cintila o teu rico aspecto
                                         Pela terra calcinada
                                         Que só impacta o circunspecto
                                         Sem nexo da humanidade
                                         Entre o côncavo e o convexo.



        Autoria:  Antenor Rosalino

         Imagem da internet


domingo, 1 de novembro de 2015

O FIM

                                           
                                                             


  Ela sempre estava ali, a elegante e bela senhora Isaura, apesar das rugas ostensivas dos seus quase noventa anos de vida, no mesmo banco da pequena praça, na hora sacra e solene do crepúsculo vespertino.
 Era a mais antiga moradora do bairro. Teve uma infância sofrível, pois perdera os pais num acidente automobilístico quando contava apenas quatro anos de idade. Sendo filha única, a partir de então, passou a ser criada pela avó materna.
Isaura Ingrid, esse era o seu nome. Desde criança parecia viver absorta num mundo só dela e nunca desejou casar-se. Foi aconselhada a internar-se num convento, mas descobriu que,apesar de sua costumeira introspecção, não tinha essa vocação religiosa.
Com a morte da avó, passou a contar apenas com as visitas diárias e alongadas de uma tia. Foi professora do ensino médio até aposentar-se, quando então, passou a fazer serviços voluntários em algumas instituições filantrópicas.
  Assim vivia dona Isaura Ingrid: não media esforços para levar solidariedade e dar aconselhamentos às pessoas, sejam elas quem fossem. Não tinha qualquer preconceito sobre religiões, sociabilidade ou raça de quem quer que seja.
 Chegava sempre alegre e, lentamente, aconchegava-se ao seu lugar favorito da praça, trazendo indizível ternura no olhar!
  O seu lugar preferido era sempre o mesmo, debaixo de frondosa árvore circundada por belos canteiros de floridos roseirais, onde havia também um pequeno espaço deserto coberto de areia, dando um perfil exótico e de certa solidão, em meio ao cenário festivo dos acrobáticos passarinhos e das flores e arvoredos.
  Ali se mantinha dona Isaura, desde o arrebol até o sol ajoelhar-se no horizonte, dando adeus a mais um dia.
  Frequentemente, pessoas de várias idades e de todos os níveis sociais lhe dirigiam a palavra e ela correspondia com esmero e invulgar cordialidade; e seu olhar parecia perder-se ora no infinito, ora na simplicidade natural do lugar. Era mesmo ali o local que escolhera para contatar-se com as pessoas, apreciar o romantismo crepuscular e, também, aprofundar-se em meditações da mais sublime introspecção.
  Certo dia, porém, aquela senhora de olhar claro e sorriso fácil, estranhamente, ficou pouco tempo no seu lugar habitual. Após olhar docemente em tudo ao seu redor, fixou os olhos mais intensa e profundamente no pequeno espaço vazio de areia que a circundava e, como a pressentir algo triste em sua vida, decidiu ir para casa, alegando não estar sentindo-se muito bem e deixando transparecer comovente tristeza na palidez do semblante.  Em vista da situação desfavorável, uma das frequentadoras do jardim a acompanhou até sua casa.
  Após a saída de dona Isaura, o movimento corriqueiro do local não permaneceu o mesmo. Os sorrisos dos frequentadores perderam o brilho, silenciou-se o cantar festivo dos passarinhos e até as flores pareciam ter perdido, cada qual, o seu viço.
  No dia seguinte, quando a natureza iniciava o seu rito crepuscular, a cidade tomou conhecimento do falecimento da bondosa senhora.
  Naquele dia nefasto, quando as últimas lanças coloridas do sol despediam-se da terra, no mesmo horário em que dona Isaura sempre se postava para o seu rito dial, apareceu misteriosamente no canteiro de areia, bem próximo ao banco onde ela costumeiramente ficava, uma linda rosa púrpura, como se tivesse sido colocada por alguém em homenagem póstuma àquela que tantos exemplos de humildade e sentimentos solidários havia deixado.
   Nada mais havia sobre a areia que fazia lembrar dunas desertas e tristes.
Apenas a rosa carmesim, esquecida e postergada, ali ficou sendo beijada pelo vento até seu perfume esvair-se na mesma proporção em que seus folíolos murchavam e morriam no melancólico final do crepúsculo, em que a bondosa senhora no dia anterior prenunciava o seu fim.



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da internet









terça-feira, 20 de outubro de 2015

AMARRAS ESTELARES


                     
                                            



                      Meu intento é embalar-te
                      Amarrando-te em estrelas
                      Para ver teu lindo olhar
                      Revigorar o Universo
                      Em todas as sutilezas.

                     E tu não te perderás
                     No encanto celestial
                     Onde vive as ilusões
                     - Da planície em verdes ramos -
                     Dos teus castelos de sonhos!

                     As auroras brilharão
                     Quando, então, desprenderei
                     Teus laços das estrelas,
                     Para amarrar-te também
                     Neste sol dos dias meus.

                    Nos finais de cada rua
                    Verei ramos orvalhados
                    E flores cintilantes
                    Trazendo sua miragem
                    Distraída em diamantes.



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da internet

domingo, 27 de setembro de 2015

MINHA CIDADE




                                                                     




Araçatuba é minha cidade. Aqui nasci, mais precisamente, na Vila Mendonça – área quase central -, mas, naquela época, ainda empoeirada sem o asfalto a cobrir todas as suas largas ruas.
  As lembranças são vívidas do quintal arborizado de minha casa,  da vizinha amiga, dos colegas e das travessuras tão hilárias e inocentes a se confundir com as próprias lendas infantis que, ainda hoje, permeiam a minha memória.
  Já vai longe o tempo em que passavam, por minha rua, procissões iluminadas. Os santos e santos em seus andores carregados por fervorosos e denodados fiéis, pareciam estar, verdadeiramente, presentes, levitando em magia para o céu estrelado em noites de plenilúnio.
  Quantas saudades da capelinha, hoje, Igreja “Bom Jesus da Lapa”, contrapondo-se, naquela época, aos carnavais que emocionavam, não pelo luxo e riqueza, embora houvesse algum glamour, mas pela espontaneidade, alegria e criatividade dos foliões.
  Assim como cresci, minha cidade também cresceu, mas ainda trago nas vísceras os horizontes fecundos deste solo abençoado, berço de saborosos araçás, frutas das plantas mirtáceas, genuínas da América, que originou o nome Araçatuba, cidade indicada para promissores investimentos e que se agiganta com a exuberância de seus arranha-céus sob a luz dial do seu sol fulgurante e em suas noites de esplendor à luz de estrelas rútilas.
  As matas virgens de outrora, habitat de acrobáticos passarinhos multicores e as tribos de índios Caingangues, deram lugar às plantações cafeeiras e ao desbravamento, trazendo os primeiros sinais do progresso que se alojou.
  Muitos são os motivos para orgulhar-me deste rincão onde nasci: Araçatuba foi ponto de concentração da tropa noroestina do Movimento Constitucionalista.
Liderou com galhardia a plantação nacional algodoeira, tendo ostentado também em seu leito aquiescente, as plantações canavieiras e a pecuária alvissareira, razão pela qual, foi lhe atribuído o cognome de “Terra do Boi Gordo”. Foi também cognominada “Cidade do Asfalto”, por ter sido a pioneira em todo o interior paulista a usufruir do benefício do asfalto, tão essencial em nossas vidas.
  Fulgura assim, decantada essa terra abençoada, que se desponta, inclusive, nas artes, principalmente através de seus grandes literatos, poetas e músicos.
  Por aqui, as árvores em suas avenidas espraiadas balançam, e, dos arvoredos, caem pétalas no chão, reluzindo encantamentos ao pôr do sol no verão.



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da internet


sábado, 19 de setembro de 2015

É TEMPO DE ESPERANÇA


                                       



Os meus olhos são janelas abertas
A clarear cantos escuros,
Buscando colorir o mundo em frestas
De aquarelas vivazes pelos caminhos mais puros!

Visualizo flores e passarinhos
Cruzando os pontos cardeais
Quando, na calmaria das ruas sem desalinho,
Sinto no âmago dissipar da vida os seus ais.

É tempo de esperança e de repensar...
E nesse tempo eu me encontro
Com o ardor benfazejo de condensar
Um porvir de amor, dstante dos desencontros.

Mesmo voejando por mundos errantes,
Aninha-se o ardor da fé no porvir,
Como flor que renasce na mente pensante,
Norteando-nos sempre para o devir.

Esculpido em magia pela fé eterna
No Criador, e polinizando antevisões,
Visualizo a vida sempiterna
De inventos fantásticos e régias missões.



   Autoria:  Antenor Rosalino


   Imagem da internet







domingo, 13 de setembro de 2015

OS FILÓSOFOS



                                                                   
                                                     


                                   As mutações circunscrevem nossas vidas,
                                   Assim como as hipóteses povoam lancinantes
                                   As mentes dos filósofos em suas dialéticas
                                   De busca pelas verdades intrigantes.

                                   A semântica pura e a precisão exata do saber
                                   Às vezes são ilusórias, e a certeza plena do presente
                                   Sempre se afigura incerta no amanhã,
                                   Provocando inovações e sonhos diferentes.

                                   A filosofia renasce, então, a cada dia, evocando luzes,
                                   Como a poesia do alvor nas manhãs ensolaradas,
                                   Deixando no ar interrogações que se redesenham
                                   Nas mentes buscadoras da precisão acalorada.

                                   Em seu estro lastro e abnegado,
                                   Os filósofos, incansáveis, conquistam o mundo,
                                   Como fizeram os pitagóricos, estóicos, epicuristas...
                                   E sobrevivem permeando hipóteses em magnetos fecundos.

                                   Quando a filosofia é vazia, o homem se perde
                                   Descrente do progresso espiritual latente
                                   E os mistérios se avultam entorpecidos,
                                   Deixando a vida ignóbil e todos os sonhos cadentes.



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da internet

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

O OBSCENO NA LITERATURA

                   
                                                               
                                                            

  Nos dias atuais, não são raras as vezes em que lemos textos de vários gêneros, em que o autor utiliza termos pejorativos, num acintoso incentivo à obscenidade. Evidentemente, a liberdade de expressão é algo extremamente relevante e necessita ser preservada tanto quanto a correta escrita das palavras, mas é notória a imensa dimensão desta tendência literária que se avulta sempre mais.
  A educação sexual deve ser iniciada em tempo hábil, com base nos preceitos divinos da procriação e na prática do sexo salutar e seguro entre pessoas afins, devendo ser visto como algo natural dentro dos ditames da respeitabilidade que é de fundamental importância para que haja confiança e o contato seja prazeroso para o casal.
  Entretanto, a maneira pela qual são feitas muitas alusões sobre sexo, estas não instruem, e trazem apenas desvãos de péssimo gosto, denotando imaturidade de quem escreve, falta de respeito humano e até mesmo, por trás do contexto, certa carência afetiva camuflada em tons de deboche.
  Aparentemente, os maus exemplos disseminados impregnam muito rapidamente na visão e mente dos jovens, formando uma corrente sombria e paralisante para o futuro. É tempo, portanto, de se fazer uma pausa para reflexões mais aprofundadas neste sentido. Não devemos banalizar algo imanente da natureza humana e para cujo fim fomos criados.
  É notório, em muitos casos, o autor fazer gracejos neste sentido, visando se tornar simpático e engraçado, e como estes assuntos sempre causam curiosidades, principalmente aos menos experientes, são intensificadas as insistências e o escritor que deveria deixar exemplos para a posteridade acaba por disseminar frivolidades, deturpando a Língua Pátria, desconsiderando o fato de que, a ele, escritor, cabe, fundamentalmente, a expressividade dos sentimentos do povo em suas reflexões sobre si mesmo e o mundo, para a construção, sob todos os ângulos, de um viver harmônico, com a mente liberta das paixões deploráveis e inconseqüentes.
   Não sou contrário a tais palavreados, desde que usados na medida certa e em momentos oportunos, mas tenho observado a utilização de tais vocábulos com exagerada freqüência e, sobretudo, de forma totalmente desprovida de nexo, sem qualquer fundamento ou razão de ser exteriorizados. Tais autores haverão de perceber, cedo ou tarde, de que a frivolidade só cativa espíritos levianos e este não é o melhor uso que poderão fazer de suas tendências literárias para que as mesmas perpetuem glorificadas na mente dos leitores como as obras imortais dos grandes sábios.



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da internet




segunda-feira, 24 de agosto de 2015

SONHOS POÉTICOS



                                       


                       Percorro o horizonte com olhar perscrutador
                       Detendo-me, vez por outra, na arquitetura
                      Que se desenha fulgurante trazendo o rito natural
                      Das paisagens, dos uivos brandos do vento,
                      Do murmurar das ondas beijando os rochedos...

                      As fantasias percorrem meus sonhos
                      E as imagens são fantasias em mim.
                      Buscando minha essência em abandono
                     Como imagens que se emergem
                     Das profundezas de lagos azuis!

                     Um grito se esvai no silêncio
                     Em meio a rosários de melodias
                     Volvo os olhos para o céu
                     E vejo anjos em cânticos louvando a Ave Maria!

                     Os dias correm silentes na brevidade das horas
                     E vou vencendo o silêncio e o amargor da solidão
                     No secreto mundo platônico de imagens e ideias
                     Liberto da terra tristonha e poluída
                     Vicejando em sonhos profundos
                     O descortinar do amor em laivos de poesia.




                      Autoria: Antenor Rosalino


                      Imagem da internet

 

 

 


 

sábado, 15 de agosto de 2015

LÁGRIMAS DE POETISA


                      
                                       



                                    Uma amizade nascia
                                    Singela como uma flor!
                                    Trazendo perfis de encanto
                                    Até mesmo em meio à dor:
                                    O poeta e a poetisa
                                    Em premissas de fulgor!

                                    Na clara noite hibernal
                                    Amoráveis corações
                                    Palpitavam lancinantes
                                    Por caminhos de emoções
                                    Cada qual com seus delírios
                                    De sonhos em profusões.

                                    A poetisa em segredos,
                                    Lendo escritos do amigo,
                                    Surpreendida, chorou
                                    Por sabê-lo emudecido
                                    Ante uma grave doença
                                    Que o faria entristecido.

                                    Pelo rosto angelical
                                    Lágrimas puras fluíam
                                    E ao saber do sentimento
                                    Tão profundo que os nutriam
                                    O poeta em seu recato
                                    Pressentiu o que os uniam.

                                    O poeta e a poetisa
                                    Em uníssono amargor
                                    Descobriram desde então,
                                    Com o mais profundo ardor,
                                    Seus pensamentos unidos
                                    Na alegria e na dor.

                                    Pelo olhar do dia claro
                                    A poesia latente
                                    Vencendo abissos e mares
                                    Fez-se súplice, envolvente,
                                    E ambos deram as mãos
                                    Buscando os risos ausentes.




                                     Autoria: Antenor Rosalino

                                      Imagem da internet




quarta-feira, 5 de agosto de 2015

O RENASCER DA POESIA




                               


Na calentura do sol
Ou nos ventos hibernais,
A poesia latente
Renasce em tons divinais
A perscrutar as lembranças
Nos momentos soturnais.

Lapidando sentimentos,
As emoções, lentamente,
Acompanham o ébrio rito
Da natureza fremente
De lindos sonhos risonhos
A encantar-me, caliente.

Absorvo em meus pensamentos
A imensidão do deserto,
O qual percorro sem jeito
Buscando elevar meu estro
No esplendor das madrugadas
Entre os caminhos que adestro.

A minha oração se eleva
Quando, fitando a amplidão,
Os meus olhos se embriagam
Da mais límpida emoção.
Tudo então ganha sentido
No lastro da inspiração!

Nos braços da natureza
Meu coração em compassos
Segue o ritmo ordenado
Dos meus sempre firmes passos.
Sigo o caminho traçado
Ultrapassando obstáculos.

A distância, muitas vezes,
Torna-se sempre mais leve
Quando em silêncio mergulho
Na calmaria tão breve
Da poesia que nasce
E adormece ultraleve.



Autoria: Antenor Rosalino

Imagem da internet



sexta-feira, 31 de julho de 2015

O FENÔMENO DA VIOLÊNCIA



                                                                     



  A violência, em qualquer circunstância, é repugnante e condenável, mas ganha perfil animalesco, quando é originária de desigualdades sociais que levam o indivíduo a situações humilhantes de miséria e abandono.  E esta situação faz com que presenciemos a cada dia, e de maneira cada vez mais crescente, muitas pessoas agirem como se não fossem humanas, praticando atos extremamente vergonhosos para a moral e assim, o caráter, que é o que diferencia o homem dos animais acaba por esvair-se, fazendo que ambos pareçam iguais.
  Na verdade, o fenômeno da violência é antigo, mas é estarrecedor o que vem acontecendo em nossos dias atuais. O consumismo vem gerando exacerbadas ganâncias e muitos são aqueles que se arruínam nessa imposição capitalista e se enveredam na vida do crime. Fecham os olhos para as consequências e passam a matar e roubar para saciarem seus desejos, cujo único propósito é tirar do outro as suas posses. Esse tão pecaminoso intento ganha força, principalmente, porque a lei é branda para marginais, e muitos crimes são cometidos sem que se descubram os autores.
  Muitos são os fatores que levam a esse estado de coisas, mas a concentração de renda nas mãos de alguns privilegiados e os níveis precários de educação do país são, fundamentalmente, o alicerce da violência.
  Nada justifica a criminalidade, mas, é evidente que, havendo tantas desigualdades, surjam revoltas de grande parcela da população e isso se torna o ponto de partida para os tendenciosos ao crime.
  Não há outra saída, a não ser acabar, preliminarmente, com a violência moral que separa as pessoas pelo poder que alguns exercem sobre outros em determinados cargos públicos ou mesmo privados. O país sofre, mais do que nunca, da carência de políticos honestos, que se comprometam com a sociabilidade dos mais necessitados.
 Causa estranheza e dor sabermos que, por mais que haja investimentos na área educacional, tais recursos ainda não são suficientes para disseminar a almejada paz nas escolas. Pelo contrário, o bullyng ganha força sempre mais, e hoje, está se tornando comum os alunos brigarem também com os professores, que, indefesos, já não representam referências de respeitabilidade para eles.
   Em contrapartida, os professores clamam e choram ao presenciarem essa brutal realidade que vem fazendo com que a escola que deveria ter uma forma eficaz de combate à violência venha a perder o pouco da força que lhe resta.



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da internet