segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Quando eu partir...



                      


                       Um dia virá em que estarei ausente.
Por um momento apenas penumbras tristes
Como um dossel a flutuar pelos ares
Envolverá o teu corpo, até que o teu pensar
Confrontará com a dura realidade
Da ausência funesta e insólita de quem
Amou-te antes mesmo e além do próprio amor!

Recordarás do passado em que o meu coração
Pulsava em sintonia com os meus passos
Procurando em ti razões e respostas
Para um amor que me fez esquecer de mim,
Para viver apenas por ti!...

                A lembrança das carícias e até do ciúme
Justificado por te amar tanto,
Fará escorrer e transpassará as tuas vísceras,
E estarei presente em cada momento
Do céu estrelado das tuas noites vazias.

Vez por outra, as mesmas palavras de amor
Que incansavelmente eu proferia,
Ouvirás em sussurros e lampejos,
                No ritmo da brisa calma que te alisa
                E sentirás os mesmos afagos segredados
                Na lascívia única que nunca será superada.


          Autoria:  Antenor Rosalino

          Imagem da Internet


Nenhum comentário:

Postar um comentário