quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

LUAR DE OUTONO

                         

                                   

Dissipando-se lembranças tristonhas
De cinéreas nuvens,
A terra florídea em matizes
Exala perfume, inspirando amores!

Uma canção se faz: leve, plena,
Como a ave e o tema.
Os corações palpitam de encantamentos
E vão rezando o verbo amar
Sob a lua incandescente
Em belas noites boreais!

Nessas noites outonais
A lua capta em radiograma
O pensamento de quem ama
- sob a luz de estrelas rútilas -,
Em fulgores de encantamento
No doce prelúdio estelar!

E neste eldorado de encantados sonhos
Um realengo de esperanças que seduz,
Insurge na ágape dos corações,
Perscrutando reminiscências esvaídas
Como fonte de ternura de amores  
esmaecidos!


Autoria:  Antenor Rosalino


2 comentários:

  1. Flores que exalam perfumes, "inspirando amores"! Quão sublime essa metáfora, Meu Amado Mestre Antenor! "E vão rezando o Verbo Amar" - Outra figura de linguagem, que resplandece todo teu poema, sob luzes prementes de novos brotos de versos! Como amoras, que são bravas em verões, Teus escritos, me encantam, e deixo de ser a Educadora, Diva, Poetisa! Qualquer outro adjetivo, para te aplaudir, como em face da pequena aprendiz, que ama tudo que dizes! Meus mais efusivos parabéns! Beijo-te e amo-te, eternamente, Amado Antenor Rosalino*****

    ResponderExcluir
  2. A tua humildade é tão admirável quanto a poesia latente em tuas vísceras de açucenas, querida Lu. E este sentimento tão imenso só é cabível em grandes corações iguais ao teu. Só tenho a agradecer por tua presença que é refrigério para o meu viver. Caloroso abraço e um grande beijo do teu eterno Antenor.

    ResponderExcluir