quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

De coração a coração



                                                     
  
                             Neste dia sem sol,
O nublado me entristece!
Os pássaros emudeceram
E as plantas não florescem!

Nem mesmo as fontes ecoam
O sussurrar das cascatas...
Somente os uivos dos ventos
Trazem perfis de saudade!

Não vejo o encantamento púrpuro
De arrebóis flamejantes.
Somente sombras funestas
Em esquecidos jardins!

Meu coração em prece
Assevera o teu e diz:
Oh! Coração, não seja assim:
Como um riso sem alegrias...
Inacabado poema
Sobre vãs rimas perdidas!


Autoria:  Antenor Rosalino



2 comentários:

  1. Amado Antenor: Com Bramir De Um Mar Tempestuoso, Rodeia-me Um Universo Assustador! Que Nunca Me Queimem Sóis da Adusta Solidão! Que Caiam Assim Por todo O Chão! Meu Coração É Também Teu Coração! As Fontes Farão Ecos Aos Ouvidos Teus! Os Jardins Farão Festas De Muitas Cores Em Sombras Alegres de Ti! E Numa Prece, Teu Coração Terá Todos Risos E Sementeiras Da Paixão! Que Tuas Rimas Jamais Seriam Perdidas! Poema Denso com Qualidade Literária nota Mil! Meu efusivos parabéns, Amado! Beijo com Amor, da tua eterna Lu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorável Lu, a leitura deste teu comentário tão amável e belo dissipa todas as angústias e tudo se faz luz de esperança incontida em jardins encantados de radiantes auroras. Debruço-me em tua amorosidade com meu corpo desnudado da angustiosa solidão para abraçar o nirvana do teu sentir. Faustoso beijo do teu eterno Antenor.

      Excluir