domingo, 3 de março de 2013

INQUIETAÇÃO






                      Ouço lamúrias, vozes, gritos, alaridos.
                       No meu olhar instropecto.
                       Não sei o que faz sentido,
                       Pois entre olhares sofridos
                       Vislumbro belos sorrisos!

                       Os espinhos ferem, sangram...
                       Mas, oh, Deus:
                       Como pode as belas rosas
                       - Indiferentes as intempéries -,
                       Florescerem entre abrolhos?

                       Intriga-me a evolução dos seres...
                       Por quê a felicidade de alguns
                       Depende de holocaustos de outros?
                       Por quê a poesia me inunda
                       E me inquieta os sentidos?

                       Já não sei se vivo em mim,
                       Ou como penumbra triste
                       Divisando as folhagens,
                       Sou um fantoche perdido
                       Na ilusão dos meus pensares.


          Autoria:  Antenor Rosalino

          Imagem da Internet



2 comentários:

  1. Amado Antenor, pois, que a inquietação vem a ser uma das primordiais características humanas, que nos regem do berço de nascimento à maturidade! Como diria nosso velho e bom amigo, "Antes a inquietação de um amor, que a paz de um coração vazio..." (Caio Fernando de Abreu) Sentires, que divisam razão e emoção. Em teu belíssimo poema, há um grito de sufocamento, um pedido de Amparo Sagrado. Eis, que tudo passará e ficarás sob a Égide do Grande Conhecimento! Parabéns, por esses versos, bordados de pleno "Desassossego", que te faz mais sábio e MAIOR, sempre! Beijo-te, com todo meu amor, nessa sentença de vida que punge, em mim! Luiza

    ResponderExcluir
  2. Minha querida Luiza, concordo plenamente com seus dizeres sobre a inquietação humana que parece ser mais latente no coração dos poetas e poetisas. O seu comentário contém sapiência incomum, tão brilhante quanto um tear de cristal. Comovido, muito lhe agradeço pelo elogio e a honrosa visita que muito me fortalece. Beijo amorável do seu eterno. Antenor

    ResponderExcluir