sexta-feira, 26 de abril de 2013

O Horizonte





 Quanto mais no meu caminho
Procurava o horizonte,
A cada passo eu ficava
Mais distante do meu sonho!

Denotava simplesmente
Ser vã a minha jornada
E, assim, fui ficando triste,
De tão triste caminhada!

Eis, porém, que de repente...
Ouço passos permear-me
E doce voz asseverar:

“Meu filho, o belo horizonte
Existe também na vida
Para ensiná-lo a andar!”



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da Internet




2 comentários:

  1. Amado Antenor, era a Voz Divina, te dando o presente da vida eterna! O horizonte está bem aqui, do lado esquerdo de teu peito! Não mais do que num repente, tudo que desejas, se fará presente, como num passe de mágica. Amei seu poema! Formoso e tão sensível, como és! Beijo com todo amor, que lhe tenho, Luiza

    ResponderExcluir
  2. Amada Luiza, a exteriorização tão amorável do teu sentir para comigo e tua apreciação aos meus escritos são dádivas divinas que recebo como imensurável presente de Deus. A tua sensibilidade me encanta e sou imensamente grato por teu respeito, amor e consideração que retribuo em igualdade, minha querida. Beijo pleno do teu eterno Antenor.

    ResponderExcluir