sexta-feira, 26 de abril de 2013

CONSTRUTOS ETERNOS





No silêncio dos meus dias iguais,
O tempo veloz, sorrateiro,
Consome em breve insuflar
Os meus construtos mortais!

Nas lições – didática da vida -,
Inspiro a brisa e me enlevo
Para construir em outro prisma,
Castelos de sonhos eternos!

Suspiro entre folhas e pétalas
Em abandono caídas,
Buscando horizontes fecundos
De amores redivivos.

A paz transcende e floresce
Na minha alma súplice, em prece
Enquanto soam trombetas
Dos anjos num céu de festa!

Ah! Quem me dera a divícia
De perpetuar as quimeras
E ausentar deste mundo,
Perfídias que as dores vicejam. 



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da Internet


2 comentários:

  1. Amado Antenor: Eterna é a Flor Que Suspira Todo Amanhecer à Sua Janela. Eterno é o Astro Rei, que sempre brilhar! Eterna é a Cândida Deusa Lua que nos enleva! Eterna é A Vida Compadecida, que Se Alterna com a Eternidade! Eterna será sua poesia, em mágicos estalos de belos versos.
    A outra citação em itálico (Le silence éternel de ces espaces infinis m'effraie — algo como "O silêncio eterno desses espaços infinitos me apavora") é uma frase famosa do pensador francês Blaise Pascal (1623-1662). Aplausos todos ao Mestre Antenor! Amo! Beijo da sua eterna Lu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorável Lu, os teus comentários se constituem em verdadeiros poemas e dos mais lindos. Que Deus mantenha sempre este teu estro lírico divinal. E renovo minha eterna gratidão por tuas palavras amoráveis e pela honra das visitas que tanto me falam ao coração. Receba o costumeiro faustoso beijo do teu eterno Antenor.

      Excluir