terça-feira, 30 de abril de 2013

LIVRE



                 
    


Livre afinal das algemas
E azorragues cruciais,
Depus dos ímpios suplícios das gólgotas
E me fiz redivivo, Em orações nos luares!

Com a mente liberta
Em pensamentos soltos,
Sonho os meus sonhos de luz:
Inocentes, estelares...                                

Distante dos grilhões e das sandices,
Deixo as asas da imaginação
Guiarem-me por caminhos floridos,
Sentindo a paz invadir-me
Entre pétalas de amor
E arrulhar de passarinhos!



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da Internet




2 comentários:

  1. Amado Antenor: Que a liberdade é o Sonho mais Antigo de Toda Humanidade! Mas, há muita cobiça, falta de ética, incompetência de Autoridades Maiores! Enfim, seu poema é belíssimo! E essa liberdade cantada em teus versos, é inocente, despida de preconceitos! É lânguida, perene e absolutamente duma fina poética, que fazes! A Liberdade tem dois gumes: Um, seria o de Liberdade X Responsabilidade. Outro, seria Liberdade X Distinção Intimista, onde buscamos o auto conhecimento, através das artes todas! A maior liberdade para um ser humano seria ter o pão, o chão e o trabalho, sem judiação alguma! Veja pois, que O Amor que lhe tenho é a maior expressão da Liberdade, que ouso pedir-te! Beijo cheio de amor, da tua eterna Lu

    ResponderExcluir
  2. A tua retórica de precisas, sábias e belas verdades sobre a liberdade se resume da forma mais clara possível no sentimento amorável que nos une, querida Luiza. O teu expressivo comentário é tão encantador quanto a liberdade no sentido mais amplo de concepção da palavra. Com amor, agradeço-lhe e receba um grande beijo do teu eterno Antenor.

    ResponderExcluir