sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

O Retrato




                                       


                                        Enxugando o meu pranto em silêncio
                                        Movido pela dor da ausência sua,
                                        Deixei cair em seu lívido retrato
                                        Cálida lágrima de ternura!

                                        A gota prateada reluzia
                                        Bem dentro dos olhos seus,
                                        Refletindo em fragmentos
                                        A tristeza dos olhos meus!.

                                        A moldura do retrato esbelto
                                        Simbolizando escultura,
                                        Descortinava a beleza
                                        Da sua doce candura!

                                        Esse amor inesquecível
                                        De embriagadores afagos,
                                        Verte em meu ser a lembrança
                                        Da aurora da minha vida!

                                        A visão da sua imagem
                                        É nostálgica, mas benquista:
                                        Agridoce que retira
                                        Da minha vida a desdita.



                                         Autoria: Antenor Rosalino

                                         Imagem da Internet








3 comentários:

  1. Meu Adorado Poeta Antenor: Que essa ausência silenciosa, prateada de alguma dor, possa retirar as lágrimas dos Olhos Meus... Que, da aurora, não é... Mas, do Agora, há um retrato lindo, fazendo tela de tanto brindar... Parabéns pelos expressivos versos, querido! Ainda, que meu Coração esteja doendo, sorrirei sem medo! Na certeza, de Apenas, Um Amor Antigo!
    "Da vez primeira em que me assassinaram
    perdi um jeito de sorrir que tinha...
    Depois, de cada vez que me mataram,
    Foram levando qualquer coisa minha (Mário Quintana)
    Beijos da sua eterna Luiza

    ResponderExcluir
  2. Meu Adorado Poeta Antenor: Que essa ausência silenciosa, prateada de alguma dor, possa retirar as lágrimas dos Olhos Meus... Que, da aurora, não é... Mas, do Agora, há um retrato lindo, fazendo tela de tanto brindar... Parabéns pelos expressivos versos, querido! Ainda, que meu Coração esteja doendo, sorrirei sem medo! Na certeza, de Apenas, Um Amor Antigo!
    "Da vez primeira em que me assassinaram
    perdi um jeito de sorrir que tinha...
    Depois, de cada vez que me mataram,
    Foram levando qualquer coisa minha (Mário Quintana)
    Beijos da sua eterna Luiza

    ResponderExcluir
  3. Adorável Luiza. É meu sincero desejo que as pretéritas lágrimas de tristeza deem lugar a sorrisos iluminados em telas de amor perfeito advindos de nosso olhar. Muito agradecido pelo tocante comentário emoldurado pela sensória expressividade de Mário Quintana. Carinhoso abraço e um grande beijo do teu eterno Antenor

    ResponderExcluir