quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

FIOS DE SEDA

                                           

                                       

Contemplo, enternecido, as ondas
Do teu cabelo esvoaçante e sensual.
Nelas posso ver as trincheiras
Misteriosas dos teus segredos e histórias,
Numa calma que repercute e encanta!

Vejo as tuas mechas macias
Nos teus ombros repousarem
Em sutilezas puras,
Nas quais, os uivos do vento
Transbordam poesia de sublime encanto!

Bebo da tua fonte as delícias represadas
Num solo salpicado de estrelas rútilas
Em que a natureza em seu apogeu alado,
Emana, silenciosa, o aroma dos fios de seda
Dos teus cabelos ondulados.

Pela fresta da janela entreaberta,
Os meus pensamentos em sonhos
Transformam os meus suspiros sentidos
Em esperança decantada
Buscando o itinerário holístico
Da tua crística liberdade.



Autoria:  Antenor Rosalino

Imagem da internet

2 comentários:

  1. Antigo e tão Atual, Meu Amado Antenor, descreves ofegantes versos, que me fazem brotar um langor que todo apaixonado! Sedas compostas de leveza e de uma calma, que faz O Meu Navio, aqui aportar! Uma brisa noturna me lava o rosto, onde vejo Tua Fotografia, em meu plexo chão, de deitar! Aplausos, curvo-me à Tua Sabedoria! Beijo com meu amor, da tua eternamente, Lu

    ResponderExcluir
  2. Saber que os meus versos fizeram brotar languidez em teu sentir afigura-se para mim, como um presente de Deus, adorável Luiza. Ao aportar teu navio no cais dos meus sonhos a amplidão se ilumina! Beijo e os mais profundos agradecimentos do teu eterno Antenr

    ResponderExcluir