segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

SILHUETAS



                   

                                   No meu silêncio transfigurado,
                                   Assim como um navio
Que passa pela noite,
Fora do alcance da voz,
Sou teu escudo invisível

E em noites taciturnas,
Entre sândalos de bem-me-quer,
Faço silhuetas de ti,
Visualizando tua imagem
E teus segredos de mulher.

Os meus olhos lacrimejam
E as lágrimas escorrem em pétalas
Na quietude que me afaga a alma
Como se fosse a última página
Que escrevo no livro da memória...

Odes de amor perfeito...
Mas só me restam os versos que fiz
Buscando seus olhos inquietos
No meu viver carmesim.



Autoria:  Antenor Rosalino


Imagem da internet


4 comentários:

  1. Bom dia meu caro e querido poetamigo,

    Ler uma preciosidade dessa logo cedo é um presente dos melhores, muita ternura e sentimentos em seus lindos versos. sua musa com certeza mui feliz ficou!
    Desejo um dia azul cheinho de Paz!
    Trerno e fraterno abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, caríssima amiga e poetisa.
      Feliz e lisonjeado, agradeço-lhe por tão gentil comentário. Como sabe, nós, poetas, visualizamos a vida e o amor em suas diversas nuances, daí a inspiração acontece advinda das imaginações. Muito obrigado, um afetuoso abraço e que os seus dias sejam também promissores e abençoados.

      Excluir
  2. Amado Antenor: Silêncio Que Consagra Sabedoria nas Silhuetas Inabaláveis. Amor Mais Do Que Perfeito. Penso que já Havia Comentado Esse Teu Poema. Nessa Releitura, Meus Olhos Marejados de Imensa Saudade. Beijos da Sempre Tua Eternamente Luíza De Marillac Bessa Luna Michel.

    ResponderExcluir
  3. Adorável Luiza, talvez você já tenha comentado sobre esse poema na minha página no site do Recanto das Letras, onde posto todos os meus escritos. Mas serei sempre profundamente grato a você pela amabilidade dos seus comentários que tanto me honram e incentivam. Beijos do seu eterno Antenor.

    ResponderExcluir