sexta-feira, 26 de setembro de 2014

A BORBOLETA




                                       



Detendo os meus passos,
Absorvo o teu voejar...
Derramo os meus sentimentos
E, em teu encanto, me ponho a sonhar!

Paraliso-me ao encontrar-te
No fascínio dos jardins,
Tocando as pétalas veludíneas
Que faíscam sobre mim!

                                   Quisera segurar-te num raio de sol
                                    Ou nas pedrinhas de praia,
                                    Mas tua alma peregrina,
                                    Voeja, na mais bela sinfonia!
                                        
                                    Bordarei os teus caminhos
                                    Fazendo silhuetas de ti
                                    E dar-te-ei o meu tempo
                                    Entre cântaros de jasmins!

Segue o teu voo acrobático e terno,
Ruflando as asas violáceas,
Deslumbrante sob o teu céu liberto,
Misteriosa borboleta bela!

Mas venha pousar sempre terna,
Sob a égide do meu domínio
Ao som dos campanários
No crepúsculo vespertino.



Autoria: Antenor Rosalino

Imagem da internet

2 comentários:

  1. Amado Antenor! Nessa noite, temos uma Linda Lua Cheia. Todas as belezas estarão despertas! Que seus caminhos sejam bordados no suave voo da Borboleta! Uma Verdadeira Ode à Liberdade, usando a borboleta, como figura de linguagem, que transcende as metáforas! Meus efusivos parabéns, Querido! Belíssimo poema! Receba meu beijo de admiração e profunda gratidão! E amor! Sua Lu, eternamente!

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Luiza. A leitura do seu maravilhoso e poético comentário faz com que o plenilúnio ganhe mais fascínio e meu pensamento voeja em sonhos libertos, análogo à ao voo da borboleta bela. Serei sempre muito grato a você por seu incentivo tão importante e pelo seu significado em minha existência. Beijo grande, querida, do seu eterno Antenor

    ResponderExcluir