sexta-feira, 26 de setembro de 2014

A BORBOLETA




                                       



Detendo os meus passos,
Absorvo o teu voejar...
Derramo os meus sentimentos
E, em teu encanto, me ponho a sonhar!

Paraliso-me ao encontrar-te
No fascínio dos jardins,
Tocando as pétalas veludíneas
Que faíscam sobre mim!

                                   Quisera segurar-te num raio de sol
                                    Ou nas pedrinhas de praia,
                                    Mas tua alma peregrina,
                                    Voejante, na mais bela sinfonia!
                                        
                                    Bordarei os teus caminhos
                                    Fazendo silhuetas de ti
                                    E dar-te-ei o meu tempo
                                    Entre cântaros de jasmins!

Segue o teu voo acrobático e terno,
Ruflando as asas violáceas,
Deslumbrante sob o teu céu liberto,
Misteriosa borboleta bela!

Mas venha pousar sempre terna,
Sob a égide do meu domínio
Ao som dos campanários
No crepúsculo vespertino.



Autoria: Antenor Rosalino

Imagem da internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário