domingo, 17 de janeiro de 2016

TRANSCENDÊNCIA




O silêncio é profundo.
Toda a Terra parece flutuar
Numa atmosfera solitária
Como jardins encantados
Em continentes perdidos.

A ausência nefasta
Desperta lamentos
Na trajetória inglória
Onde os suspiros se enleiam
À sombra dos ventos.

A brisa suave traz perfiz de encanto
E mergulho na fonte oculta e cristalina
Dos teus mistérios para tocar, delicadamente,
As entranhas da quietude que se faz perene
Em teus segredos de mulher.

Transcendentes ilusões
Descortinam-se nos arrebóis de cada dia,
Antes de a noite chegar com seu fascínio,
Em que as crisálidas flutuam na cidade adormecida
E as estrelas devolvem a realidade esquecida.


Autoria:  Antenor Rosalino
Imagem da internet

                                              













2 comentários:

  1. Boa tarde meu amigo querido.
    Lindas as tuas letras, um poema profundo e transcendental.
    Antenor, espero de coração que esteja bem, deixo o meu carinho mais doce e reabasteço as energias que a ti sempre são endereçadas.
    Meu carinho, fique com Deus! Um beijo, Lu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Lucy Mara!
      Fico imensamente feliz com suas palavras elogiosas e de carinho. Ser merecedor de sua amizade e ainda saber de sua apreciação ao meu sentir poético é, sem dúvida, uma honra e um incentivo incomum. Muito obrigado, querida. inclusive por desejar-me ver com saúde. Vou indo bem. Fique com Deus você também, um beijo terno e que a semana que se avizinha lhe seja das mais felizes.

      Excluir